O Jornal do Campos, (projeto universitário da Universidade de São Paulo (USP), ouviu alguns relatos de assédio sofrido pelas alunos e reuniu esses depoimentos em uma campanha que já circula pelas redes sociais, o #meuprimeiroassédionausp .

Inspirado pelo movimento #meuprimeiroassédio, organizado pelo coletivo feminista Think Olga em outubro deste ano e que ganhou repercussão nacional por trazer os relatos inquietantes de mulheres que sofreram abuso e assédio desde muito cedo. No vídeo das estudantes, as declarações também são revoltantes, principalmente quando narram a forma como o assédio é naturalizado no campus, e como ele vem de alunos, funcionários e até professores.

No ano passado, algumas histórias sobre as violências chegaram, com muito custo, à mídia, e em março deste ano, uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) foi instaurada pela Assembleia Legislativa de São Paulo para investigar os casos no ambiente universitário.

assédio Isabela e Paula – Jornalismo

Isabela (a esq), estudante de jornalismo: “Meu primeiro assédio na USP foi quando eu e a Paula (a dir) fomos assinar a lista de chamada, que estava na mesa e, quando a gente foi abaixar pra assinar, ele falou umas coisas bem asquerosas, tipo ‘gosto de ver vocês curvadas‘”.

Só nos últimos dez anos, foram divulgados dados de que 112 estupros foram cometidos no campus, fora os assédios sofridos diariamente e que não ganham atenção. Segundo a professora Maria Fernanda Tourinho Peres, da FMUSP, que coordenou a pesquisa realizada em 2013, 43% dos alunos de Medicina contaram já ter passado por assédio ou violência sexual no curso de Medicina.

O Núcleo de Mulheres de Relações Internacionais, em 2015, fez uma pesquisa com estudantes Instituto de Relações Internacionais (IRI) e recebeu 69 respostas, de um total de 150 alunas. Dessas, cerca de 75% já sofreram machismo na unidade e 64% afirmaram já ter passado por alguma situação de assédio.

Para saber mais, e também participar, identifique pela hashtag #meuassédionausp . Assista ao vídeo na íntegra:

Todas as imagens: Reprodução YouTube

Related Posts

Comentários

Comentário