Em meio a diversas diversas denúncias envolvendo abusos contra crianças na Igreja Católica nos últimos anos, o Vaticano emitiu um documento determinando que bispos recém-nomeados não precisam “necessariamente” comunicar acusações de abuso infantil clerical às autoridades.

Segundo o documento, a decisão de denunciar os abusos à polícia deve ser responsabilidade apenas das vítimas e de suas famílias. O documento ainda enfatiza que “o único dever do bispo é de abordar tais alegações internamente” — embora a igreja afirme que os membros do clero devem estar cientes das leis locais.

“De acordo com as leis civis de cada país em que a notificação (às autoridades) é obrigatória, não é necessariamente dever do bispo denunciar suspeitos às autoridades, a polícia ou a promotores estaduais sobre crimes ou atos pecaminosos”, afirma o documento.

Veja também: VEJA O QUE O CRISTÃO TIMOTHY KUREK APRENDEU APÓS UM ANO FINGINDO SER GAY

O jornal britânico The Guardian informou ainda que as diretrizes teriam sido escritas pelo controverso monsenhor e psicoterapeuta Tony Anatrella, que atualmente trabalha como consultor do Conselho Pontifício para a Família da Igreja Católica.

Os detalhes do documento foram relatados por John Allen, editor associado de um portal especializado em notícias relacionadas à Igreja Católica.

Related Posts

Comentários

Comentário