No inicio desta semana, a autora Glória Perez participou de um debate com travestis e transexuais em sua visita ao “Projeto Damas”, da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (CEDS) do Rio, e fez questão de comentar sobre o motivo de ter escolhido uma mulher cis para viver o papel de transexual na sua trama e não uma atriz trans.

Segundo a autora de “À Flor da Pele”, o personagem não será uma mulher trans, e sim um homem transexual. “Eu farei um trans homem, muita gente não estava sabendo disso, achavam que seria um homem virando mulher. Por isso acho que ficará mais fácil para o público colocar uma mulher, que se incomoda com seu corpo, que odeia seus peitos crescendo, e que quer ser homem”, disse.

“Se eu colocasse um trans já formado, ele teria barba, já aceitaria seu corpo, e não passaria realmente esse sofrimento de não se identificar com o corpo. A garota da trama vai ter que se descobrir”, continuou a autora. As alunas do projeto questionaram a novelista sobre a possibilidade de serem representadas por uma trans na novela. “Não existe a possibilidade de colocar uma transexual em nenhum papel de destaque?”, perguntou uma das alunas.

“Estamos procurando sim atrizes transexuais que mostrem seu talento e que por isso mereçam entrar na novela. Eu quero colocar a Maria Clara Spinelli, por exemplo. Preciso de atrizes verdadeiras para os papéis, por isso estamos realizando tantos testes”, respondeu a autora, que adiantou um pouco mais sobre a personagem.

Segundo ela, a personagem principal da trama será mostrada desde bebê, e que será filha de uma socialite, perua, que sonhou em tornar sua filha numa princesa.

Related Posts

Comentários

Comentário