Após emplacar uma série de trabalhos na teledramaturgia, o ator Márcio Rosário decidiu voltar ao teatro, onde começou a carreira, porém trocando de lado. Assumiu as funções de diretor e produtor do espetáculo Bruta Flor, que estreia em novembro, em São Paulo.

Para o elenco, ele convidou três talentos da nova geração: Léo Rosa, o Átila da novela Escrava Mãe (Record), Lidi Lisboa, a Esméria da mesma trama, e Pedro Lemos, que interpretou Tobias em Chiquititas (SBT). O trio mergulhou sem rede de proteção num texto denso e potencialmente polêmico, que trata da homofobia internalizada e sua possível consequência trágica. O tema não poderia ser mais atual, pois hoje o Brasil vive uma onda de intolerância contra a diversidade sexual.

Com estreia para 11 de novembro, o espetáculo Bruta Flor com texto de Vitor Oliveira (colaborador de novelas de sucessos como: O Astro e I Love Paraisópolis) e Carlos Fernando Barros. A trama aborda o relacionamento de Lucas e Miguel que se encontram presos em um lugar desconhecido e começam a relembrar a trajetória deles, desde a adolescência, quando numa noite de bebedeira, os dois acabam transando.

Miguel vai estudar em Londres e eles se afastam. Mais de 10 anos depois, Miguel volta para o Brasil e reencontra Lucas no metrô. Lucas está casado e prestes a ser pai do seu antigo namoro com Simone, mas o reencontro com Miguel traz à tona sentimentos que ele até então desconhecia. Lucas e Miguel se tornam amantes. A relação vai ganhando contornos dramáticos quando Lucas entra em conflito com a aceitação de sua homossexualidade e a obsessão que sente por Miguel.

“O texto inédito chegou em boa hora porque eu queria muito falar sobre preconceitos e homofobia. A abordagem é profunda e há uma dose de espiritualidade. Soube de cara que era a peça que eu procurava”, comenta Márcio.

Os temas abordados são polêmicos e há cenas de nudez, necessárias ao contexto. “Procurei atores corajosos, sem pudor de aparecer nus, sem nenhum preconceito, interessados em realizar um trabalho relevante. Consegui um elenco talentoso e estudioso que respeitam a proposta dramatúrgica, a minha visão do espetáculo e a arte em geral”, diz.

Com a trilha sonora de Cida Moreira, Cenografia e Figurinos da ilustradora e artista plástica Maureen Miranda e produção executiva de Marina Trindade, Bruta Flor traz à tona uma nova discussão sobre a bissexualidade e homossexualidade por um angulo espiritual ainda não discutido no cenário teatral.

Serviço:

Teatro Raposo – Sala Irene Ravache – Shopping Raposo
Datas: 11/11/2016 a 18/12/2016
Sextas Feiras: 21:30 horas | Sábados: 22:00 horas | Domingos: 20:30 Horas
Ingressos: R$60,00 e $30,00 (valores normais) e R$50,00 e R$25,00 (antecipados)
Piso Cinema do Raposo Shopping (Rod. Raposo Tavares, km 14,5 – Jardim Boa Vista – São Paulo/SP)
Capacidade: 252 lugares, incluindo lugares para portadores de deficiência.
Horário da bilheteria: de terça a domingo, das 15h às 23h.
Para mais informações: (11) 3031-1952 – Bilheteria do Teatro | E-mail: brutaflorteatro@gmail.com

Related Posts

Comentários

Comentário