O filme King Cobra que narra a história do astro do pornô gay Brent Corrigan, estrelado por James Franco e Christian Slater estreia só em dezembro, e o que não falta nessa espera é polêmica.

Slater contou recentemente que ele e Franco competiam frequentemente para ver quem tinha as melhores cenas de sexo. “James ia ter as melhores cenas no roteiro, mas eu improvisei um pouco”, riu em entrevista ao Page Six. “Eu vou parar de falar disso! Mas o diretor foi ótimo”.

No filme, Brent Corrigan, que começou em 2006, quando a pornografia na internet ainda era bastante limitada, é hoje dono de um dos sites de pornografia gay mais acessados e valiosos do mercado.

Veja também: Doce Amianto: A obra de arte de um cinema nada convencional

Além de James Franco, o filme ainda é estrelado por Christian Slater (Mr. Robot), Molly Ringwald (O Clube dos Cinco) e Alicia Silverstone (As Patricinhas de Beverly Hills). O diretor Justin Kelly (I Am Michael) comanda a história. (Veja o trailer de King Cobra aqui).

James Franco e o mundo gay, ou apenas pink money?!

Franco vai voltar a dirigir e flertará novamente com o universo LGBT. Segundo o site Dazed, ele será responsável pelo remake do telefilme Mother, May I Sleep with Danger.

O longa narra a história de Leah, uma vampira lésbica que se envolve com a mãe de sua namorada. A atriz Tori Spelling, que ficou famosa pela séri “Barrados no Baile”, nos anos 1990, está cotada para interpretar a mãe.

Conhecido por dirigir longas, documentários e curtas, essa não é a primeira vez que James Franco se aventura como diretor. Um dos longas do bonitão foi “Interior. Leather Bar” (2013), que tratava dos bastidores do cult gay Parceiros da Noite (1980). O trabalho mais recente dele foi a adaptação da obra de William Faulkner, O som e a Fúria (2014).

Recentemente o ator e diretor chegou a dizer que tem um certo fascínio com o universo LGBTQ e com a expressão artística que o envolve.

Related Posts

Comentários

Comentário