A dançarina de balé Sophie Rebecca, de 35 anos, trabalhou como piloto de corrida por muitos anos, mas abandonou o esporte à medida que fez a transição para o sexo feminino, decidindo seguir seu sonho secreto de se tornar uma bailarina.

Aceita na tradicional Academia Real de Dança, de Paris, Sophie desabafou em entrevista para a BBC, sobre a dificuldade em seguir o sonho. “Eu não sou transgênera porque eu danço e não danço porque sou transgênera. Eu danço porque eu sou uma dançarina. Acontece que eu sou transgênera”.

Sophie foi autorizada a entrar na classe de balé depois que a academia abandonou as regras que impediam as mulheres trans de participar de aulas para o público feminino em 2013. E agora, dois anos e meio mais tarde, ela se tornou a primeira bailarina trans a alcançar sua qualificação de “fundação intermediária”, passando com mérito.

Veja também:

“É uma paixão, é a maneira que me faz sentir algo e é perfeito. Sou eu”, afirma. Sua professora de balé, Lynne Reucroft-Croome, acrescentou que Sophie estará em desvantagem dançando durante a transição e fazendo o tratamento de hormônios porque terá alterações da força muscular.

“Ser capaz de entrar nesse estúdio e ser julgada por nada mais do que minha capacidade de dançar significa o mundo para mim”. Apesar de amar dançar, Sophie sabe que nunca vai ser uma profissional na área “Eu nunca serei uma profissional, não tem nada a ver com ser trans, mas com a chegada tardia. Eu nunca me apresentei no palco e é improvável que eu venha a fazer isso. Se isso acontecer, acho que seria incrivelmente feliz”, finaliza.

Com informações do iGay.

 

Related Posts

Comentários

Comentário