A atriz Ellen Page usou as redes sociais para falar do caso de homofobia, que sofreu do diretor Brett Ratner durante as gravações de X-Men – O Confronto Final. Na publicação, cita os casos de assédio em Hollywood e revela que trabalhar no filme de Woody Allen foi o maior arrependimento de sua carreira.

‘Você deve transar com ela para fazê-la perceber que ela é gay’”,  foi com essa frase que começou o relato de Page, que hoje é assumidamente homossexual. Segundo ela, a frase foi proferida pelo diretor Brett Ratner durante um encontro entre o elenco e equipe antes das filmagens de X-Men – O Confronto Final. Ele havia dito isso para uma mulher dez anos mais velha que Page, apontando para a jovem atriz, que tinha apenas dezoito anos de idade.

A atriz aproveitou para falar sobre os absurdos cometidos por homens de poder e sobre a luta de mulheres desprivilegiadas.

“Eu era uma jovem adulta que ainda não tinha me assumido para mim mesma. Eu sabia que era gay, mas não sabia, por assim dizer. Eu me senti violada quando isso aconteceu. Olhei para os meus pés, não disse uma palavra e assisti quando ninguém mais falou nada”, comentando sobre ter se sentido envergonhada pelo o que era, o que chamou de “uma manipulação cruel, destinada a oprimir e reprimir”.

“Ele ‘me assumiu’ sem consideração pelo meu bem-estar, um ato que todos reconhecemos como homofóbico. Eu continuei a observá-lo no set dizendo coisas degradantes para as mulheres”, disse ela, relembrando uma ocasião quando ele fez comentários humilhantes sobre os órgãos genitais de uma mulher.

Veja também:

No relato em sua página, a atriz também fala que ter trabalhado com o cineasta Woody Allen foi um “erro terrível”. “Eu fiz um filme Woody Allen e é o maior arrependimento da minha carreira. Estou com vergonha de ter feito isso. Eu ainda não tinha encontrado minha voz e não era quem eu sou agora e me senti pressionada, porque ‘é claro que você tem que dizer sim a este filme de Woody Allen’. Em última análise, no entanto, é minha escolha quais filmes eu decido fazer e eu fiz a escolha errada”.

Ela também ponderou que agora pode usar seus privilégios e fama para lutar contra essas situações. “Agora posso me afirmar e usar a minha voz para lutar contra a insidiosa atitude transfóbica em Hollywood e além. Espero ajudar as pessoas que estão lutando para serem aceitas como elas são. Jovens vulneráveis foram muitas vezes diminuídos e sentiram que não tinham opções para viver a vida alegre que eles mereciam”, escreveu Page.

Veja a publicação na íntegra:

Related Posts

Comentários

Comentário