O casal Georgia Carr, de 64 anos e Susan MacFarlana, de 66, aguardaram ansiosamente para enfim poderem planejar o tão sonhado casamento. Com 43 anos de união, as duas sorriem diante da legalização do casamento igualitário na Austrália.

Quando se apaixonaram, em 1974, nenhuma delas entendia o que estava acontecendo: elas nunca haviam escutado o termo “lésbicas” e a homossexualidade era um tabu – e ilegal. Elas contaram que estavam “confusas” e pensavam em si mesmas como “heterossexuais que se apaixonaram”. “Nós duas tínhamos namorados antes de nos apaixonarmos”, contou Susan ao jornal Daily Mail.

As duas lutaram contra o sentimento e até terminaram por alguns meses no início do relacionamento porque a Georgia queria ter um bebê, e claro, na época não era possível que um casal de mulheres tivesse filhos.

“Eu cresci toda a minha vida pensando que eu iria me casar e ter filhos, porque isso é o que as mulheres fazem”, disse a Georgia. “Mas, depois de alguns meses, pensei comigo mesma ‘porque eu desistiria do maior amor do mundo por algo que não me daria felicidade?’”.

Depois disso, foram anos de reflexão para que percebessem e aceitassem sua sexualidade. “Eu não conhecia outras lésbicas do mundo. A escola não me preparou para isso e isso não era mostrado na televisão e em filmes da época”, conta Susan.

Foto: Reprodução/Daily Mail

Por não conhecerem outros casais homoafetivos, elas ficaram com várias dúvidas quando decidiram morar juntas. “Nós olhamos uma para a outra e nos questionamos sobre quem ia tirar o lixo ou matar as aranhas”, disse Susan. “Mas aprendemos a ser muito versáteis e somos uma ótima equipe”, completou Georgia.

Quando decidiram contar para suas famílias sobre o romance, a reação foi surpreendente, já que as mães da Georgia e Susan eram melhores amigas desde a infância. “Eu sempre assumi que minha mãe sabia, porque sempre que nós íamos para a casa dela, ela preparava uma cama de casal para nós duas”, disse Georgia.

“Eu disse, mãe, você provavelmente já sabe, mas Susan e eu somos um casal. Ela perguntou como poderia saber isso se eu nunca contava nada”. A mãe de Georgia respondeu que amava as duas e que, apesar de elas serem julgadas por isso, ela só queria que as duas fossem felizes.

A mãe de Susan também apoiou o casal. “Ela disse ‘meu marido tem sido uma parte fundamental da minha vida e lamento que você nunca tenha um’, mas que ela também amava a Georgia”, conta Susan.

Casamento igualitário

O Parlamento da Austrália aprovou no dia 7 de dezembro do ano passado, o texto que legaliza o casamento entre pessoas do mesmo sexo, semanas após uma consulta popular do governo em que 62% dos participantes votaram a favor da medida.

Dos 150 deputados, apenas quatro votaram contra. “Que dia. Que dia para o amor, a igualdade e o respeito. É hora para mais casamentos”, disse o primeiro-ministro Malcolm Turnbull, do Partido Liberal (centro-direita).

Georgia e Susan já haviam feito uma cerimônia informal quando mais jovens. “Foi uma grande coisa em nosso círculo social, para a nossa família e amigos para verem o quão sério era a nossa relação”, falou Susan. “Eles não nos questionaram depois disso”.

A ideia agora era casar ainda este mês, no dia 6, quando completam 44 anos de união, mas em razão da burocracia, não irão conseguir nesta data, mas já estão empenhadas em casar o mais rápido possível. “Não há amor suficiente neste mundo, então ele deve ser comemorado sempre que surgir”, finaliza Susan.

Com informações do iGay.


Veja também:

Deputado pede mão de seu companheiro durante debate sobre casamento gay

Sem referência para própria festa, casal cria revista de casamento para lésbicas

Reality Show apresenta pedido de casamento lésbico na Arena Corinthians

Related Posts

Comentários

Comentário